Lei de du Fay e Lei de Coulomb

Opa, tudo bom? Agora você vai aprender Eletrostática.

Lei de du Fay

A percepção das interações elétricas entre portadores de excessos de cargas elétricas são dadas por forças que podem ser atrativas ou repulsivas.

No século XVIII, o francês Charles François du Fay detectou a existência de dois tipos de cargas elétricas, as quais denominou de “vítrea” e “resinosa”, pois notara que um bastão de vidro atritado com seda adquiria carga elétrica diferente da carga elétrica adquirida por um bastão de resina atritado com lã.

Dufay, nas suas experiências, concluiu que:

“Cargas elétricas de mesmo sinal se repelem e de sinais contrários se atraem”

A imagem acima representa o enunciado da Lei de du Fay, note que as cargas quando são positivas ou negativas se repelem, porém quando uma é positiva e outra negativa elas se atraem.


Lei de Coulomb

Pela Lei de Dufay, agora sabemos que haverá uma força de atração ou repulsão entre os portadores de carga elétrica e de acordo com a Terceira Lei de Newton, para cada ação existe uma reação, de mesma direção, mesma intensidade, sentidos opostos e que atuam em corpos diferentes.

Em 1784 o físico francês Charles Augustin Colulomb (1736-1806) obteve experimentalmente a relação conhecida como a Lei de Coulomb que define que:

” A intensidade da força de interação entre duas cargas elétricas puntiformes é diretamente proporcional ao produto dos módulos das cargas e inversamente proporcional ao quadrado da distância entre as cargas. “

\( F = K \cdot |Q| \cdot |q| \over d^2 \)

Na equação acima |Q| e |q| representam os módulos das cargas e d a distância entre elas. A constante K de proporcionalidade está relacionada ao meio em que as cargas se encontram. Sendo esse meio o vácuo, seu valor, em unidades do S.I., é:

\( K = 9 \cdot 10^9 { N.m^2 \over C^2} \)




Gráfico

A partir da Lei de Coulomb podemos perceber que a Força de interação entre os portadores de carga é inversamente proporcional ao quadrado da distância, de forma que, sempre, em um gráfico de F x d iremos ter um comportamento igual ao da figura abaixo.

Só para que fique claro, SIM, O GRÁFICO VAI TER SEMPRE ESSA “APARÊNCIA”, mas lembre, só quando for um gráfico de F x d, tá bom?

Cara, espero que tu tenhas aprendido algo, agora lê esse outro post aqui

Abraço.
Emanoel Silva
@professordefisica